Poesias - Notícias - Politicagem - Comportamento - Cultura - Sexualidade - Assuntos Sérios - Bobagens Necessárias - e Tudo Mais Que Eu ou Vocês Queiramos Falar - Tudo isso abordado com discontração e irreverência, às vezes de modo requintado e às vezes com linguagem totalmente escrachada. Participem das discussões, proponham assuntos pra novos posts, e não façam cerimônia, porque aqui a gente fala Do Que Quiser Falar .

sábado, 21 de agosto de 2010

EVENTO NO CAHL

Núcleo de Negras e Negros estudantes do CAHL

Apresenta:

A negação do Brasil

filme de Joel Zito

O Núcleo de Negr@s do CAHL busca a partir deste filme de Joel Zito, um dos principais cineastas negros da contemporaneidade, levantar questões sobre a representação do negr@ nas telenovelas brasileiras da década de 70 e adentrar com as discussões na cinematografia brasileira.

Data: 10 / 09 (sexta-feira )

Horário : 19h


"Ser negro não é ser neutro. Mobilize-se!"

6 comentários:

Natacha Domingues disse...

Boa Nane! Também acho que militar é tudo de bom.Se posicionar na vida, essencial. Me afastei do MNu, mas por motivos "alheios a minha vontade"...rsrs...Quería perguntar:A Thaís Araújo, para você, e o Lázaro Ramos, são um sinal de novos tempos?Ambos são negros conscientes, que conquistaram espaço e respeito notório das pessoas. A Thaís (que sou fã) chegar 'a mocinha de novela das oito na racista Globo(acredito) têm um valor social enorme. Minha fiha, têm em quem se espelhar na mídia...ela, é claro, foi pioneira. Mas hoje existem outras.Qual é a sua opinião?Desculpa vir com uma pergunta dessa no blog...mas eu gostaria de saber a opinião de alguém ativo no ativismo. Beijo.

http://doquequiserfalar.blogspot.com/ disse...

Olá Natacha, pois então, vamos a resposta: Tanto a Thaís (Araújo) quanto o Lásaro (Ramos) conseguiram atuar como protagonistas em novelas do horário nobre global, e pensando por esse lado, talvez sim, estejamos vivendo um momento de mudança, já que a 20 anos atrás, talvez menos, a 10 anos atrás isso era quase impensado. Porém, avaliemos as circunstâncias, o Lásaro é um artista genial, sua contribuição para o cinema brasileiro é interminável, no teatro baiano então, ele é referência, mas só conseguiu popularidade quando atuou em "Cobras e Lagartos" na figura do anti-herói Foguinho, o cara da favela, que por esperteza, em certas feitas conseguia ascensão social, sempre burlando normas éticas, roubando e se "aproveitando" do outros. Pergunto se é conveniente o primeiro protagonista negro da história da rede globo possuir características tão reprováveis, isso é compromisso social? Fica a pergunta... Segundo ponto, a Thaís Araújo, fofa, linda e talentosa, já declarou por aí que sabe que qualquer papel que ela atui na TV irá possuir um teor de responsabilidade social, pelo simples fato dela ser negra, eu concordo, a atriz já protagonizou duas novelas na emissora em que trabalha, a primeira foi "Da cor do pecado", e só pelo título eu já reprovo esse trabalho. Quer dizer que o pecado é preto né? Ou melhor, o pecado é feiminino e negra, de nome Preta, que também pra subir na vida, precisou casar com um branco rico e ter um filho dele. A última novela em que atuou, ela foi Helena, emancipada e bem sucedida, a globo quase acerta, mas por que ela tinha que ser modelo e não médica? Advogada? Ou diretora de escola, ou sei lá quais eram as profissões das antigas Helenas de Manoel Carlos? A mulher negra que nasceu na periferia, pra ter ascensão precisa usar a beleza e o corpo? Por que não o intelecto? Sem contar o tapa na cara, de joelhos que ela tomou da Lilia Cabral em pleno dia 20 de novembro (alguém lembra? Consciência negra?) Enfim, espero ter respondido a sua pergunta, acho claro que hoje a mídia tenta parecer menos racista do que a anos atrás, e ambos atores são referência na área, mas quando numa novela das oito, o Lásaro for médico, bem sucedido, e integro, e a Thaís for a sua esposa, advogada, bem sucedida e íntegra. Nesse dia, fico feliz por mim, por você e por sua filha, e volto a assistir novela.

Natacha Domingues disse...

Nane...vc está certa.O estereótipo continua.Mas confesso:fico feliz quando minha filha olha pra tv e diz que quando crescer, quer ser igual 'a Taís...eu não tive nem de perto alguém para me espelhar.Eu não assisto novelas,porque me cansa mesmo, nem é por ideologia...mas acho que as coisas no Brasil são lerdas mesmo, acho que tem que começar por algum lugar.Mas vi dia desses um beijo entre um negro e uma moça branca na tv que "me revirou o estômago"...rsrs.Bjo.

http://doquequiserfalar.blogspot.com/ disse...

Pois é Natacha, eu particularmente acho que os tempos são outros, e a democracia racial não é mais utopia, porém, muitos colegas pensam o contrário... Na minha opinião, nem só de pessimismo vive a militância.

Natacha Domingues disse...

Não tinha prestado atenção...o tapa que a personagem tomou que todo mundo tanto comentou foi no dia da consciência negra?*Isso é Sério?!!*Então...acho que um pouco de pessimismo vem bem a calhar....

http://doquequiserfalar.blogspot.com/ disse...

Pois bem, mensagem subliminar? Sei lá, quem exerga as coisas com um olhar mais crítico é taxado de "chato"