Poesias - Notícias - Politicagem - Comportamento - Cultura - Sexualidade - Assuntos Sérios - Bobagens Necessárias - e Tudo Mais Que Eu ou Vocês Queiramos Falar - Tudo isso abordado com discontração e irreverência, às vezes de modo requintado e às vezes com linguagem totalmente escrachada. Participem das discussões, proponham assuntos pra novos posts, e não façam cerimônia, porque aqui a gente fala Do Que Quiser Falar .

domingo, 29 de agosto de 2010

A juventude contemporânea, pelos olhos de uma jovem universitária da classe média baiana

Uma atividade acadêmica
Por Alane Reis

Fulana de Tal possui características comuns a inúmeros outros jovens da sua idade, gosta de assuntos que envolvam cultura e arte, e não resiste a conversas prolongadas em mesas de bar na companhia dos amigos, aos 19 anos, cursa a faculdade de comunicação social e experimenta pela primeira vez a sensação de morar fora da casa dos pais. Nascida em Salvador, a jovem reside atualmente em Cachoeira, cidade do recôncavo baiano, em que estuda.

Ao contrário da maioria das pessoas de sua faixa etária, a estudante não gosta de baladas de música eletrônica, acredita que a geração “emocore” é um insulto ao rock primordial, e apesar de ser fã da cultura popular, defende que a maioria das letras do chamado “pagode baiano” só reproduzem discursos discriminatórios de minorias historicamente reprimidas.

F. brinca e diz sofrer de velhice precoce, se explica dizendo que faz parte do grupo dos hippies pós-modernos, jovens contemporâneos carentes de ideais e personagens atuais do âmbito cultural engajados em causas políticas e sociais. Também chamados de netos do Woodstock, esses jovens costumam fazer parte das classes médias, estudam e trabalham, mas por se identificarem com os gostos e estilos de vida dos primeiros hippies da década de 60, ressuscitam heróis de seus pais e avós.

A estudante não escuta quase nada que surgiu depois do início dos anos 90, e se diz decepcionada com a sua geração: “Nós não lutamos por nada. A revolução digital nos entope diariamente com um turbilhão de informações, e nossos jovens silenciam as desigualdades, os preconceitos, os políticos corruptos e a degradação ambiental. Estão mais preocupados com a foto do perfil do Orkut ou em não repetirem roupas na balada”.

Filha de Beltrana de Tal, e Ciclano de Tal, oriundos de uma cidade do interior, e a 40 anos residentes da capital baiana. F. diz que às vezes fica chateada dentro da própria universidade, quando ouve de colegas, que preconceitos não são mais tão frequentes entre as pessoas mais jovens, e que as desigualdades sociais estão mais amenas, “quando ouço essas coisas fico pensando nas meninas que cresceram comigo, assim como eu, a maioria são negras, muitas nem concluíram o ensino fundamental, já são donas de casa e criam filhos”. A jovem morou a maior parte da vida em um bairro da periferia de Salvador, conhecido pela violência e tráfico de drogas, é uma das poucas pessoas de sua família a cursar ensino superior, e a primeira a entrar em uma universidade pública. F. diz que apesar de se incomodar com a “nova alienação” comum a sua juventude, entende que opiniões (para serem engajadas ou não) sofrem interferência direta nas vivências individuais, e tenta discutir assuntos como racismo, machismo e desigualdades nos meios sociais que frequenta.

E por aí, o que vocês acham dessa nossa juventude pós-moderna?

3 comentários:

Natacha Domingues disse...

"netos do Woodstock"...não conhecia a expressão...sempre me senti "filha".A sua amiga é mesmo exceção.Em um país como o Brasil, em que para adquirir conhecimento depende da pessoa (o ensino público é uma vergonha) vence aquele com maior garra.Até tem oportunidades, mas depende muito da própria vontade/visão de futuro.(Isso dá uma tese.)Agora...quanto aos jovens parecerem "cegos políticos", têm a ver (acho )com o fato de haver mesmo oportunidades, eles sentem que nada precisa mudar.Tenho 28 anos, quando acabei o colegial, não existia prouni, essas coisas, uma pá de escola técnica de graça.Mas onde moro não vejo nenhum adolescente dizer que vai prestar para usp... nem tentam.Não consigo entender.Falta ambição, será?Autoestima?Bjo.

Nicelle Almeida disse...

Hoje tava lendo outro texto exatamente sobre isso. Que geração é essa que fazemos parte? É um geração covarde, que n luta pelos ideais, n defende as suas idéias, se omite a expor suas idéias, na verdade. Preferem ir com a maioria e viver como a maioria aceita. Não dá a cara pra bater, n corre atrás dos sonhos...é uma geração acomodada. Ah, como eu queria ter vivodo em outra época! Ótimo post, minha flor...finalmente apareceu, né? Vê se n some mais =)
Um grande beijo e me visita, atualizei o blog ;)
www.nicellealmeida.blogspot.com

È a vida desse meu olhar... disse...

Primaaaaaaa...

Que emoção, vê-la tão politizada!!! Tô arrepiada de imaginar q te carreguei no colo e te enseinava o dever de casa ( ainda penteava seus longos cabelos)...rsrsrsrs.Mas na real, sempre ouve e haverá aqueles que olham p o próprio umbigo e deixam o sistema controlar. Espero que a realidade nua e crua ñ roube a esperança em seu coração!!!
bjos
Amo vc...